Home / Geral / Coronavírus: Ministério Público alerta municípios de SC que barreiras com barricadas são ilegais
Slider

Coronavírus: Ministério Público alerta municípios de SC que barreiras com barricadas são ilegais




21.03 – O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) emitiu uma orientação à Federação Catarinense dos Municípios (Fecam) e às polícias civil e militar, em que esclarece sobre os limites legais das medidas de contenção à pandemia de coronavírus nas cidades do Estado. Embora reconheça que se trata de uma situação excepcional, o documento afirma que as barricadas para reter veículos vindos de outros municípios, adotadas por diversas cidades catarinenses nos últimos dias, são ilegais.

A orientação é assinada por 14 procuradores e promotores de Justiça, de órgãos especiais do Ministério Público, que integram o Grupo de Trabalho de Apoio aos Órgãos de Execução. O documento diz que medidas de restrição não podem bloquear a circulação de itens essenciais, veículos de transporte de pacientes, água e alimentos. Assim como o trânsito de trabalhadores de atividades essenciais, atividades físicas individuais e por curto período, próximas às residências, e a entrada e saída das cidades.

O documento afirma que os municípios “não detêm competência para decretar restrições genéricas ou imprecisas de ingresso em seu território, tampouco para o fechamento de seus limites”. O texto diz o seguinte: “O simples fechamento de determinado território de município, com barricadas, barreiras policias, etc., impedindo a entrada de não residentes, não guarda pertinência com a finalidade de conter a circulação do vírus, em especial quando não apresenta sustentação em evidências científicas e em análises sobre as informações estratégicas em saúde”.

O Grupo de Trabalho alega que, se há contaminação comunitária – como o governo federal afirma já existir em todo o país – a restrição de circulação pelos municípios não tem efeito para conter a proliferação. E pode, por outro lado, dificultar o atendimento de saúde à população.

Barreira, só sanitária

O Ministério Público orienta que cabe aos municípios, nesses casos, estabelecer barreiras sanitárias – que são diferentes das barreiras físicas. As cidades podem, por exemplo, verificar a temperatura de quem entra na cidade e questionar as pessoas sobre eventual contato com casos suspeitos.

A orientação também aborda o toque de recolher. Afirma que, neste momento, é uma medida “sem base em evidências científicas e em análises sobre as informações estratégicas em saúde”. De acordo com o MPSC, neste momento o órgão se limitou às orientações. A situação de cada município será avaliada caso a caso.

Fonte: NSC

Receba notícias direto no seu celular!
Participe do grupo "Noticias Região do Carneiro News"



Participe do grupo "Noticias Região do Carneiro News" no Telegram!

Sobre Vilmar Carneiro

Vilmar Carneiro
Formado em Jornalismo pela Univali - Universidade do Vale de Itajaí. Passagens profissionais por: Rede de Comunicação Eldorado (RCE/TV- Itajaí), Jornal de Santa Catarina (Agencia RBS/Notícias), Jornal A Notícia, Diário do Litoral (Diarinho) e diretor de jornalismo da extinta Rádio Aquarela FM.

Confira também

Abertas as inscrições para um dos maiores programas privados e gratuitos de empreendedorismo do Brasil

13.05 – Patrocinado pela Aegea Saneamento e pela Águas de Camboriú e Águas de Penha …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *