Home / Policia / Balneário Piçarras: Justiça inocenta policiais acusados de matar o açougueiro Mozeca em novembro de 2017
Slider
Mozeca foi confundido com assaltantes e acabou baleado na nuca - Foto/Divulgação

Balneário Piçarras: Justiça inocenta policiais acusados de matar o açougueiro Mozeca em novembro de 2017




11.08 – O juiz Rodrigo Dadalt, da comarca de Balneário Piçarras, em concordância com o ministério Público, rejeitou a denúncia contra os policiais militares Rafael Vicente, Pedro Paulo Romandini Britto e Eduardo Heidemann Mafra, do Batalhão de Operações Especiais (Bope), de Florianópolis. Eles eram acusados de matar o açougueiro José Manoel Pereira, 45 anos, o Mozeca, em novembro de 2017, supostamente por o terem confundido com assaltantes de banco.

A decisão foi em 31 de julho deste ano. A denúncia foi rejeitada porque a justiça entendeu que a bala que matou Mozeca não partiu da arma dos policiais militares. “Portanto, com fundamento nos dados técnicos apresentados, corroborados por documento pericial e expediente do setor bélico da PMSC, é preciso concluir que, de fato, o tiro fatal que resultou no óbito da vítima não partiu do armamento utilizado por qualquer dos acusados, já que a munição 5,56mm x 45mm SS109 utilizada no armamento institucional dos acusados, se revela totalmente incompatível com o fragmento de munição retirado do corpo da vítima, seja pela relevante diferença de peso, seja pela característica “expansivo pontiagudo”, anunciou o juiz na sentença.

A morte de Mozeca chocou a região. O trio de policiais foi acusado pela morte e por supostamente forjar provas, omitindo informações no boletim de ocorrência e apagando imagens das câmeras de monitoramento. Eles chegaram a ficar 15 dias presos. A justiça também rejeitou as denúncias de forjar provas e apagar as imagens. Segundo o advogado Guilherme Gottardo, que defende um dos PMs, os policiais respondem somente pela inserção de dados falsos no BO.

O caso aconteceu em 16 de novembro de 2017. Mozeca e os dois sobrinhos estavam numa festa e tinham ido a uma loja de conveniência do posto de combustível pra comprar mais bebidas.

Ao ouvir os tiros do confronto da PM com assaltantes do banco do Brasil, o grupo tentou escapar em um Siena preto pela avenida Emanoel Pinto. Foi quando Mozeca foi alvejado. Um tiro acertou a nuca dele. Os sobrinhos foram baleados de raspão.

O açougueiro chegou a ser socorrido, mas morreu no hospital Marieta Konder Bornhausen dois dias depois. Mozeca não tinha envolvimento com criminosos que atacaram o banco.

Fonte: Diarinho

Receba notícias direto no seu celular!
Participe do grupo "Noticias Região do Carneiro News"



Participe do grupo "Noticias Região do Carneiro News" no Telegram!

Sobre Vilmar Carneiro

Vilmar Carneiro
Formado em Jornalismo pela Univali - Universidade do Vale de Itajaí. Passagens profissionais por: Rede de Comunicação Eldorado (RCE/TV- Itajaí), Jornal de Santa Catarina (Agencia RBS/Notícias), Jornal A Notícia, Diário do Litoral (Diarinho) e diretor de jornalismo da extinta Rádio Aquarela FM.

Confira também

Barra Velha – Caminhonete recém-roubada é recuperada na BR-101

16.08 – Na noite de ontem (15), policiais rodoviários federais recuperaram, na BR-101 em Barra …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *