Home / Geral / MARTELADA: DECISÃO JUDICIAL MANTÉM ÁGUAS DE PENHA NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE
Slider

MARTELADA: DECISÃO JUDICIAL MANTÉM ÁGUAS DE PENHA NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE




27.01 – Decisão judicial mantém a empresa Águas de Penha a frente do abastecimento da cidade. O juiz Luiz Carlos Vailati Junior, de Balneário Piçarras, suspendeu os efeitos da notificação extrajudicial da prefeitura de Penha contra a concessionária Águas de Penha. Por decreto, a prefeitura de Penha pretendia romper o contrato.

Na sexta-feira, o prefeito Aquiles da Costa (MDB) assinou um decreto que extinguia o contrato de concessão, mas que se torna sem efeito com a decisão judicial.

O juiz determinou que a Prefeitura se abstenha de qualquer ato que impeça a concessionária de fazer a prestação de serviço de abastecimento de água e esgoto e que os termos do contrato firmado sejam mantidos até a decisão definitiva da justiça. A concessionária divulgou uma nota oficial informando que segue no comando do abastecimento em Penha.

O prefeito de Penha, Aquiles da Costa, anunciou em 14 de janeiro que romperia o contrato com a Águas de Penha. Em 2015, a empresa venceu a licitação para a exploração dos serviços de água e esgoto na cidade. A concessão é de 35 anos, mas tem sido criticada pela população pela falta de água na temporada e também pela ausência de investiumentos na rede de esgoto. As praias de Penha estão entre as mais poluídas da região.

O prefeito argumentou que a concessionária tem realizado os serviços de maneira precária e que o edital que lançou a licitação apresenta diversas irregularidades, ou seja, teria um vício de origem e seria nulo. No mesmo dia em que Aquiles fez uma coletivaà imprensa para anunciar que romperia o contrato, a prefeitura notificou extrajudicialmente a Águas de Penha. A empresa tinha 10 dias para se manifestar.

O juiz Vailati entende que qualquer efeito da notificação precisaria ser interrompido por três motivos dados por ele na decisão: é iminente o término do prazo concedido pelo município para a rescisão unilateral do contrato; a questão tratada é sobre um serviço essencial aos moradores e a quebra do contrato irá gerar mais prejuízo do que benefício; e eventual postergação da análise da liminar também não gerará prejuízo ao município.

O caso ainda será analisado no mérito da ação pela justiça. A prefeitura de Penha também deve se manifestar no processo.

Fonte: Diarinho

 

Receba notícias direto no seu celular!
Participe do grupo "Noticias Região do Carneiro News"



Participe do grupo "Noticias Região do Carneiro News" no Telegram!



Sobre Vilmar Carneiro

Vilmar Carneiro
Formado em Jornalismo pela Univali - Universidade do Vale de Itajaí. Passagens profissionais por: Rede de Comunicação Eldorado (RCE/TV- Itajaí), Jornal de Santa Catarina (Agencia RBS/Notícias), Jornal A Notícia, Diário do Litoral (Diarinho) e diretor de jornalismo da extinta Rádio Aquarela FM.

Confira também

Penha: CPI do Rabecão aprova relatório preliminar e solicita novos documentos ao Poder Executivo

27.01 – A Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga possíveis irregularidades no procedimento de contratação …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *